Dos três primeiros da classificação (Benfica, FC Porto e Braga), só o Benfica logrou vencer, em Guimarães, (2-0) na 16ª jornada da Liga portuguesa, num jogo marcado por uma superioridade encarnada que não se contesta e dispensava bem mais uns erros grosseiros do árbitro – uma grande penalidade cometida por Samaris. Marcaram Jonas (19m) e Mitroglou (42), numa primeira parte em que os vimaranenses entraram determinados, mas, pouco a pouco, foram perdendo fulgor. No segundo tempo o equilíbrio foi maior, mais porque os encarnados tiraram o pé do acelerador e optaram por gerir o resultado. Na Madeira, o Nacional “roubou” dois pontos a um Braga mais ou menos irreconhecível. Houve três ocasiões de golo para os donos da casa e apenas uma para os bracarenses. A outra equipa da Madeira, o Marítimo, colheu três pontos na Amoreira. Marcou aos 37 minutos na sequência de um canto e por aí se ficou. Um estilo pragmático, que não se censura mas não agrada aos olhos. Em Paços de Ferreira, o FC Porto não conseguiu melhor do que uma igualdade a zero. Nota-se a olho nu que os portistas estão a jogar em cima de brasas, a bola “queima” e por via disso, todo o desenvolvimento atacante é trapalhão e da capacidade de concretização estamos conversados. A voluntariedade dos pacenses, a sua entrega total ao jogo, chegou a confundir, por momentos, os “dragões”. Mas também não houve frieza para melhorar a pontaria. E assim, o Benfica ficou mais longe dos perseguidores. A jornada prosseguiu após o fecho desta edição com os jogos Tondela-Arouca, Rio Ave-Chaves, Boavista-V. Setúbal e Sporting-Feirense.

 

C.S.