A “grandiosidade” de Lionel Messi ficou patente em Quito, em forma de um “hat-trick”, num histórico 3-1 ao Equador, que salvou a Argentina de falhar pela primeira vez um Mundial desde 1970

 

Numa última ronda sul-americana que qualificou ainda Uruguai e Colômbia, atirou o Peru para o ‘play-off’ e eliminou Chile e Paraguai, os argentinos estavam obrigados a ganhar e começaram, praticamente, a perder, pois Romario Ibarra demorou apenas 38 segundos a adiantar os locais.

Lá bem no alto, nos 2.850 metros de Quito, Messi veio, porém, em socorro da Argentina e virou o resultado, com um toque de classe após tabela com Di Maria, aos 12 minutos, e um violento tiro de pé esquerdo, depois de roubar a bola a Dario Aimar, aos 20.

Aos 62 minutos, Messi voltou a “esfregar a lâmpada” e, com um belo “chapéu” a Banguera, selou o 3-1 final.

Os argentinos, campeões em 1978 e 1986, garantiram a 17ª presença e 12ª consecutiva com o terceiro posto, com 28 pontos, a três do Uruguai, que, como se esperava, selou o apuramento, em segundo, ao bater em casa a Bolívia por 4-2, num embate em que foram os seus jogadores a apontar os seis golos.

Gaston Silva, a abrir, aos 24 minutos, e Diego Godín, a fechar, aos 79, marcaram na própria baliza, mas, pelo meio, Martin Caceres, aos 39, Edinson Cavani, aos 42, e Luis Suárez, aos 60 e 76, acertaram no sítio certo e qualificaram a “celeste”.

A outra vaga em aberto para a fase final, foi conquistada pela Colômbia, que empatou 1-1 no Peru. Os peruanos também festejaram, já que o quinto posto permite-lhes jogar um “play-off” intercontinental, face à Nova Zelândia, vencedora da qualificação na Oceânia.

A formação de Ricardo Gareca somou os mesmos 26 pontos do Chile, mas ficou à frente dos bicampeões sul-americanos em título, que foram sextos, na diferença de golos. A “culpa” foi do há muito apurado Brasil, que recebeu e bateu os chilenos por 3-0, com um golo de Paulinho, e dois de Gabriel Jesus.

No sétimo posto, ficou o Paraguai, que garantiria o ‘play-off’ com uma vitória, mas acabou derrotado na recepção à Venezuela (0-1).

 

Panamá em estreia, EUA afastados

O Panamá garantiu a última vaga directa da CONCACAF para o Mundial de futebol de 2018, ao bater em casa a Costa Rica por 2-1, enquanto os Estado Unidos caíram, ao perderem em Trindade e Tobago. Os norte-americanos só dependiam de si para se juntarem a México e Costa Rica, mas tombaram no reduto da única selecção que já estava eliminada, falhando até o ‘play-off’, face à Austrália, garantido pelos Honduras, com um 3-2 na recepção ao México.

Os panamianos – segundos estreantes, depois da Islândia – aproveitaram e subiram ao terceiro posto, depois de terem estado a perder com a Costa Rica.

 

França confirma apuramento

A França, com uma exibição discreta frente à Bielorrússia (2-1), também assegurou o “passaporte” para o Rússia2018, vencendo o grupo A, com quatro pontos de avanço sobre Suécia e Holanda. No ArenA de Amesterdão, a Holanda tinha de ganhar por sete de diferença para ir ao “play-off”, mas apenas superou os suecos por 2-0, com um bis de Arjen Robben, que anunciou a despedida da selecção. A Bélgica fecha um percurso quase imaculado no grupo H, selado com 4-0 a Chipre. O segundo lugar foi assegurado pela Grécia, que derrotou Gibraltar (4-0).

 

 

JTM com Lusa