A maré negra de agressões que invadiu o futebol português terá de parar, seja de que maneira for. Este fim-de-semana, desde Coimbra (onde houve invasão de campo e agressões mútuas entre os jogadores), até Aveiro (um jogo da Distrital sem policiamento) onde um árbitro foi agredido, passando por Lisboa, onde um árbitro levou uma estalada por expulsar um jogador, aconteceu de tudo um pouco. Cenário grave, mas parece que ninguém está disposto a dar um murro na mesa, travando os desmandos e garantindo que um jogo de futebol, num campo qualquer, não pode ser palco de agressões.

 

C.S.