A II Divisão do futebol de Macau começa também esta semana e os dois clubes de matriz portuguesa são duas das equipas em destaque. Subir não é para já o objectivo dos treinadores Pelé e João Mexia

 

Vítor Rebelo*

 

A Liga de Elite concentra as atenções do futebol de Macau, com o arranque da época agendado para a próxima sexta-feira (com o desafio Polícia-Benfica, às 19 horas no MUST), mas no mesmo dia começa também a II Divisão, esta temporada com duas formações de matriz portuguesa.

Casa de Portugal e Consulado, este a manter o nome do “clube emprestado”, Clube de Futebol Benfica de Macau, preparam-se já para o início da liga secundária. A Casa de Portugal desceu de divisão, enquanto que o Consulado subiu da terceira, tendo sido segundo classificado, atrás do Tong Kuok Kei Lun.

Os dois emblemas poderão proporcionar, entre eles, “um campeonato à parte”, com muitos jogadores portugueses em acção e por isso chamando a atenção da comunidade lusa residente no território.

Pelo seu historial e experiência nas andanças do futebol da RAEM, a Casa de Portugal terá mais argumentos e talvez mais obrigação de lutar entre os da frente.

O plantel à disposição do treinador Pelé, que está como líder da equipa faz agora uma década, sofreu algumas alterações, tendo saído 10 jogadores, com destaque para Wa Si, Pedro Clemente, Pedro Lemos, Eric Peres, Duarte Pinheiro Torres e Ricardo Pinheiro.

Quanto a entradas, há, entre outros, Manuel Vidigal, o irlandês Shaun e quatro cabo-verdianos, estudantes no Politécnico, que prometem dar nas vistas.

“Vamos encarar mais uma temporada com a noção de que esta II Divisão é onde temos de estar. É preferível do que andar a subir e a descer da Liga de Elite. A ideia é por isso fazer uma prova tranquila, andando sempre nos lugares acima do meio da tabela. Claro que que se ganharmos todos os jogos e tivermos de subir, não iremos dizer que não”, refere o técnico da Casa de Portugal.

Ao fim de todos estes anos no clube, Pelé diz-se satisfeito por ter contribuído para o desenvolvimento do futebol de Macau e de ter lançado muitos jovens para outras equipas. “É um orgulho fazer contas e saber que cerca de trinta atletas já passaram pela Casa de Portugal e foram transferidos para outras equipas”.

 

Consulado mantém a base

A Casa de Portugal estreia-se diante do Hong Lok, no sábado às 14 horas, enquanto que o Consulado entra em campo duas horas depois, para defrontar o Ieong Heng.

O treinador desta época é João Mexia, que sucede a José Rocha Diniz. “O técnico do ano passado pediu para sair por falta de tempo disponível, em virtude da sua vida profissional, e os responsáveis da equipa falaram comigo para eu assumir o cargo, depois da experiência já feita na bolinha”, disse João Mexia, que deixa de ser jogador para se ocupar apenas da função de treinador.

O plantel, com os mesmos três estrangeiros, brasileiros, do ano passado (Alex Sampaio, Leandro Silva e o guarda-redes Juninho), tem algumas mudanças, mas a base mantém-se e vem desde a IV Divisão.

Marcos Modesto, Alexandre Bastos, William Júnior, Rui Silva, Edgar Pun, são algumas das novidades, a que se junta o regresso de Francisco Cunha.

“Eu quero ganhar os jogos todos e depois logo se vê. Este ano a questão física vai ser muito importante, porque o campeonato é agora a duas voltas. Penso que isso vai fazer a diferença entre as equipas”, sublinha João Mexia.

 

Arranque inesperado

Para os dois treinadores, da Casa de Portugal e do Consulado, o confronto entre ambos “vai ser um dos grandes pontos de interesse do campeonato, um jogo épico para os portugueses principalmente irem ver”.

Mas este campeonato foi divulgado em cima da hora, como diz Carlos Wilson, director desportivo do Consulado: “A Associação sempre nos disse que ainda não havia certezas do início do campeonato. Fomos consultar o site nos últimos dias e vimos lá o calendário. Isto vai obrigar a acelerar tudo, em termos de logística, de orçamento. Por isso mesmo é que só vamos fazer a apresentação oficial da equipa, que tem três patrocinadores, no dia 18, às 18 e 30 nas instalações do Consulado, já depois de termos feito o primeiro jogo na II Divisão”.

 

Monte Carlo apresentou plantel

com ambições na Liga de Elite

O Monte Carlo realizou a habitual conferência de imprensa de antevisão da temporada e apresentação oficial do plantel. A formação “canarinha” volta a ser orientada pelo brasileiro Cláudio Roberto, que tem este ano como jogadores estrangeiros os compatriotas Neto, Sadan, Keverson, Anderson e Leandro. O Monte Carlo foi campeão pela última vez em 2013 e procura agora voltar aos êxitos, num campeonato em que terá como primeiro adversário, no próximo sábado, às 16 horas, a formação dos Sub-23.

 

* Jornalista