Tony Lopes fez um “hat-trick” pelos “leões”
Tony Lopes fez um “hat-trick” pelos “leões”

O Lai Chi foi a primeira equipa da divisão principal a sair da Taça de Macau. Melhor sorte para o Sporting, que se qualificou, depois de triunfo claro sobre o Ka I. O Benfica defronta esta noite a Polícia

 

Vítor Rebelo*

 

As equipas da Liga de Elite estrearam-se na Taça de Macau e já se registou uma surpresa, com o Clube Desportivo dos Serviços de Alfândega a chamar a si o estatuto de “tomba gigantes”, uma vez que eliminou ontem à noite o Lai Chi, da Liga de Elite, por 1-0. O tento foi apontado aos 46 minutos, por Leong Chon In.

A Alfândega irá encontrar pela frente, nos quartos-de-final, o vencedor do jogo Monte Carlo-Papatudo.

Logo a seguir, no relvado do Estádio da Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau (UCTM), o Sporting surpreendeu o Ka I e ganhou por 4-1, apesar de ter actuado desfalcado dos guineenses Sangaranka Cissé e Mamdou Cissé, Eric Peres e Miguel Botelho. No Ka I também não jogaram William Gomes, Leonardo e outros habituais titulares.

Ao intervalo os leões já venciam por 3-0, com golos da autoria de César Gibelino (aos 25) e Tony Lopes (39 e 45).

Na segunda parte, o conjunto de Nuno Capela controlou a partida, tendo o Ka I reduzido aos 78 minutos através de Joadson e o Sporting aumentado nos descontos, com mais um golo de Tony Lopes, que assim fez “hat-trick”.

Os “verde-brancos” vão agora defrontar, na eliminatória seguinte, o vencedor do confronto entre o Kei Lun e o Hong Ngai.

Hoje entram em campo mais quatro formações, uma das quais da II Divisão, Hong Lok, para defrontar o Ching Fung.

Já o Benfica terá como obstáculo a Polícia e é de prever que o técnico Henrique Nunes proceda a alterações mexidas, poupando alguns jogadores, até porque o próximo adversário no campeonato é o Monte Carlo.

“Vamos entrar com o mesmo objectivo de todos os jogos, ganhar. Queremos conquistar a Liga e a Taça. O estilo de jogo da Polícia será o habitual, que já conhecemos. Tentaremos marcar cedo e depois controlar o desafio”, afirmou o defesa central português Bernardo Marques.

O central poderá até nem jogar, uma vez que se vir o terceiro cartão amarelo não estará presente no confronto com o Monte Carlo.

Com Filipe Duarte ainda em recuperação de uma lesão, é possível que Cuco e Lei Chi Kin ocupem os lugares dos seus companheiros, tal como já aconteceu diante do Lai Chi.

 

Consulado e Papatudo repescados e apurados

Aos clubes da I Divisão juntaram-se nesta Taça algumas equipas dos escalões secundários, provenientes da Taça Presidente, de onde saíram os quatro semifinalistas (Alfândega, Hong Lok, TKKL e Hong Ngai), a que se juntaram Consulado e Papatudo, vencedores de um “play-off” de repescagem, com triunfos, respectivamente, sobre Va Kei (7-4) e Atlético (2-2 e 5-3 nos pontapés da marca de grande penalidade).

Curioso foi o confronto entre as duas equipas de matriz portuguesa, Atlético e Papatudo, que militam na III Divisão e que proporcionaram uma partida equilibrada e emotiva, com o Atlético a deixar fugir uma vantagem de 2-0, permitindo o empate ao adversário já no período de compensações.

Xavi Hernandez e Daniel Melo marcaram para o Papatudo, enquanto que na formação do Atlético os tentos foram apontados por Helder Freitas e Rui Pires.

“Foi um jogo bem disputado, no qual nós não fomos capazes de manter a vantagem que tínhamos, desperdiçando oportunidades para acabar com o desafio mais cedo. Eles também falharam, acabando por chegar ao empate no fim e depois tudo se resolveu nas grandes penalidades. Julgo que as substituições do Papatudo resultaram melhor do que as nossas e por isso tiveram mérito na vitória”, disse ao JORNAL TRIBUNA DE MACAU, Pedro Ribeiro e Castro, o principal responsável pelo aparecimento do Atlético e actualmente só jogador, depois de, até Março, ter acumulado essas funções com a de treinador, passando a pasta a Pedro Ferreira.

O Atlético participa no campeonato da III Divisão e não tem tido uma época fácil, podendo dizer-se que vai ser muito complicado evitar a descida de escalão (descem quatro), uma vez que, mesmo que consiga ganhar os dois últimos desafios, depende sempre de terceiros e do número de golos marcados e sofridos.

“Passámos de um plantel de 14 jogadores, para outro de 20, quase todo remodelado, com uma grande maioria de jogadores que nunca tinham entrado no futebol de onze”, referiu Pedro Ribeiro e Castro, que está prestes a deixar Macau, onde residiu durante oito anos. O advogado de profissão, foi convidado para integrar uma sociedade internacional de advogados que tem também escritório na Arábia Saudita e por isso está de partida para Riade.

“Vai ser muito difícil a manutenção, mas mesmo na IV Divisão e sem mim, o projecto do Atlético é para continuar”, afirma Ribeiro e Castro.

O Papatudo está igualmente empenhado na III Divisão e nesta altura com ambições de subida, totalizando 14 pontos, só não podendo chegar ao primeiro lugar, ocupado pelo Lun Lok (21 pontos).

De resto, o “onze” de Agostinho Caetano tem apenas à sua frente o Pau Peng (18) e o Cheng U (16).

“Ainda é possível a subida. Eu pessoalmente gostava que a equipa fosse para a II Divisão, sempre fazíamos mais alguns jogos, mas nem todos são da mesma opinião. O nosso objectivo era fazer jogo-a-jogo, realizar um campeonato tranquilo e divertirmo-nos”, sublinha Rui Pires.

Já hoje, às 21 horas no Canídromo, a contar para a III Divisão, o Papatudo defronta o terceiro classificado Cheng U, enquanto que na Taça, oitavos-de-final, o adversário é o Monte Carlo, ainda sem data marcada.

“Só teremos hipóteses se o Monte Carlo jogar com os juniores, caso contrário é muito difícil. Temos uma boa defesa, sofremos poucos golos e aí vamos tentar segurar, actuando em contra-ataque”, concluiu Rui Pires.

 

Equipa do Consulado dá prioridade ao campeonato

O Consulado está num patamar superior, II Divisão, mantendo intactas as aspirações quer de subida, quer de manutenção, numa prova de enorme equilíbrio em que as distâncias entre o segundo, Chong Wa e o penúltimo, Chuac Lun, é de somente cinco pontos (num total de oito equipas), quando faltam seis jornadas para o fim.

“O objectivo de início de época é a manutenção, isso é o mais importante, mas se formos ganhando até subirmos, então iremos estar na I Divisão na próxima temporada”, sublinhou o director desportivo da equipa do Consulado, Carlos Wilson.

Daí que a presença na Taça, onde o Consulado vai defrontar um conhecido da II Divisão, Tong Kuok Kei Lam, esteja em segundo plano. “Esta competição servirá certamente para o nosso treinador, João Mexia, que está a fazer um excelente trabalho, colocar em campo alguns jogadores menos utilizados, ou realizar algumas experiências, tendo sempre em vista o campeonato, onde todos os nossos 26 atletas já tiveram oportunidade de actuar. Frente ao TKKL temos hipóteses e se nos qualificarmos é sempre bom defrontar equipas mais fortes”, disse Carlos Wilson.

 

Monte Carlo defronta Sub-23 na Liga de Elite

A Associação de Futebol de Macau agendou para esta noite, às 21 horas, um dos dois desafios em atraso da Liga de Elite, com o Monte Carlo a encontrar pela frente os Sub-23. Os “canarinhos” são favoritos e em caso de vitória ultrapassarão o Chao Pak Kei no segundo lugar, ficando a quatro pontos do líder Benfica. “Considerando as nossas últimas actuações, não será assim tão fácil. Temos necessidade de ganhar para nos aproximarmos dos da frente. Há algumas dúvidas na equipa, por problemas físicos, mas teremos de saber jogar com as soluções de que dispomos”, afirmou o treinador do Monte Carlo, Cláudio Roberto, na antevisão do desafio. Por sua vez, William Long, técnico dos Sub-23, reconhece que “mesmo que o Monte Carlo não esteja na máxima força, vai ser complicado”. “A aposta é defender bem e jogar no contra-ataque. A equipa é muito jovem, tem vários elementos com 17 anos, mas com futuro. Precisamos de pontos para evitar a descida e por isso o objectivo desde jogo é pelo menos o empate”, explicou. Ainda sem data está a outra partida em atraso, com os mesmos Sub-23 a terem de jogar com o Chao Pak Kei.