O Vaticano apresentou o logótipo oficial da viagem que o Papa Francisco irá realizar a Fátima, a 12 e 13 de Maio, apostando numa das imagens de marca do Sumo Pontífice: a simplicidade. Para o Vaticano vai seguir entretanto o processo de canonização de Lúcia

 

A imagem apresentada pela Santa Sé estará disponível no cartaz da visita do Pontífice a Fátima e pretende retratar o “estilo de simplicidade e clareza”, característico do Papa Francisco. O logótipo, desenhado por Francisco Providência, representa um rosário em formato de coração com os dizeres “Papa Francisco – Fátima 2017” inscritos por cima do lema da visita: “Com Maria, Peregrino na Esperança e na Paz”.

Além disso, o cartaz terá uma fotografia do líder da Igreja Católica sorrindo e acenando a mão esquerda. “Procuramos valorizar a proximidade física e simpática do Papa”, sublinhou Providência, citado pela agência ANSA.

Na sua primeira viagem a Portugal, o Papa fará uma peregrinação ao Santuário de Nossa Senhora de Fátima, por ocasião do centenário da aparição da Beata Virgem Maria na Cova da Iria a três crianças, Francisco, Jacinta e Lúcia.

Na segunda-feira, com uma sessão na igreja do Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, foi encerrado o inquérito diocesano do processo de canonização de Lúcia de Jesus, um dos pastorinhos de Fátima, com mais de 15 mil páginas de “provas e testemunhos”. Promovida pela Diocese de Coimbra e vice-postulação da Causa de Canonização da Irmã Lúcia, a cerimónia concluiu formalmente a fase diocesana do processo, que vai ser enviado para a Congregação da Causa dos Santos e passa, assim, “a partir de agora, para a competência directa” da Santa Sé e do Papa.

A fase diocesana do processo, que demorou cerca de oito anos, reúne, em 15.483 páginas, os escritos de Lúcia e os depoimentos das mais de 60 testemunhas “ouvidas acerca da sua fama de santidade e das suas virtudes heróicas”, disse o bispo de Coimbra, Virgílio Antunes. Esta fase teve como objectivo “recolher as provas necessárias para mostrar que, ao longo da sua vida”, Lúcia de Jesus “praticou as virtudes heróicas que se esperam de um santo canonizado, de alguém que pode ser modelo para os outros irmãos na fé”.

Para a Diocese de Coimbra, “este é um momento verdadeiramente histórico”, designadamente porque “não há notícia recente” de uma canonização, sublinhou Virgílio Antunes, recordando, no entanto, as ligações a Coimbra de santos como António, Teotónio e [rainha] Isabel.

 

JTM com agências internacionais