Material estará a ser fabricado na estação nuclear de Yongbyon
Material estará a ser fabricado na estação nuclear de Yongbyon

Novas imagens da principal estação nuclear da Coreia do Norte revelam que o país produziu mais plutónio para o seu programa de armas do que o estimado

 

As imagens térmicas da unidade nuclear de Yongbyon, na Coreia do Norte, mostram que tubos de combustível nuclear foram reprocessados pelo menos por duas vezes entre Setembro e Junho. “O Laboratório Radioquímico operou de maneira intermitente e ao que parece houve duas campanhas de reprocessamento para produzir uma quantidade não determinada de plutónio capaz de incrementar o arsenal norte-coreano de armas nucleares”, revela o site “38 North”, um sistema de controlo norte-americano ligado à Universidade Johns Hopkins.

A Coreia do Norte desactivou o reactor de Yongbyon em 2007, como parte do acordo de desarmamento em troca de ajuda externa, mas voltou a reactivá-lo após o terceiro teste nuclear norte-coreano, em 2013. O site “38 North” também detectou um aumento da actividade nas instalações de enriquecimento de urânio de Yongbyon, embora não seja claro se foi uma tentativa de obter elementos para armas ou um procedimento de manutenção.

A Coreia do Norte já realizou cinco testes nucleares desde 2006 e lançou recentemente com sucesso um míssil balístico intercontinental capaz de transportar uma ogiva nuclear.

 

Aproximação de Moon é “enganosa”

A Coreia do Norte classificou de enganosa a oferta de diálogo recentemente proposta pelo Presidente sul-coreano, Moon Jae-in. O texto divulgado pelo jornal Rodong Sinmun considera que a oferta apresentada na semana passada por Moon, num discurso em Berlim, causa ainda mais obstáculos ao invés de ajudar a melhorar as relações entre Seul e Pyongyang.

“[A proposta de Moon] está repleta de falsidades, como quando se fala em sonhos, e estas só colocam obstáculos ao invés de ajudarem a melhorar as relações Norte-Sul”, diz o artigo.

No seu discurso na capital alemã, Moon disse que está disposto a reunir-se com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, “sob as condições adequadas”, e propôs retomar as reuniões das famílias separadas pela Guerra da Coreia. Moon propôs também que os dois países suspendam os actos hostis ao longo da fronteira, assinalando, no próximo dia 27, o aniversário do fim da Guerra da Coreia.

O texto conclui rejeitando a oferta do Presidente sul-coreano e pede “uma mudança fundamental de postura e políticas” de Seul para que seja iniciado o diálogo.

 

JTM com agências internacionais