O Papa Francisco chegou na quarta-feira a Bogotá, para iniciar uma viagem de cinco dias no país sul-americano. A bordo do “Pastor Uno”, da companhia aérea italiana Alitalia, o avião pousou na área militar do aeroporto, cerca da meia hora antes do horário

 

Após vários minutos de espera, o núncio apostólico Ettore Balestreto subiu ao avião e desceu com um sorridente Jorge Mario Bergoglio. Na pista, esperavam o presidente colombiano e Nobel da Paz, Juan Manuel Santos, e a sua esposa, María Clemencia Rodríguez, que o saudaram seguindo o protocolo oficial.

Assim que terminou a curta caminhada, o Papa foi saudado por Emmanuel, filho da congressista Clara Rojas, que ficou vários anos sequestrado pelos ex-guerrilheiros das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O menino nasceu numa floresta do país e entregou ao Pontífice uma figura de uma pomba da paz, criada pela artista local Ana González.

O Sumo Sacerdote ainda cumprimentou vítimas dos conflitos com as guerrilhas colombianas ao longo dos últimos 50 anos. No grupo saudado, havia tanto militares que lutaram contra os rebeldes como civis.

Segundo as agências internacionais, uma multidão acompanhou o Papa Francisco, que estava no seu “papamóvel”, durante 15 quilómetros entre o aeroporto e a Nunciatura Apostólica, com milhares de colombianos a saudarem-no em ambiente de festa.

Ao chegar à Nunciatura Apostólica de Colômbia, onde vai passar as noites, Francisco falou brevemente aos jovens que o acompanharam por todo o percurso. “Não percam a alegria, a esperança, o sorriso. Andem adiante sempre assim”, disse o Pontífice.

Além de Bogotá, o sucessor de Bento XVI visitará outras três cidades – Villavicencio, Medellín e Cartagena – levando uma mensagem de paz e de reconciliação. O Vaticano, após indicação do Pontífice, foi um dos mais importantes negociadores do acordo de paz entre o governo de Santos e as Farc, que terminou com décadas de conflito e instabilidade social na Colômbia.

 

JTM com agências internacionais