Uma gravação revelou uma troca de benefícios entre o Primeiro-Ministro israelita e o dono de um jornal que é o principal concorrente do “Israel Hayom”, propriedade de Sheldon Adelson

 

As investigações policiais em torno do Primeiro-Ministro de Israel por suspeitas de corrupção incluem uma gravação de áudio que mostra uma troca de favores entre Benjamin Netanyahu e um empresário dos media, garantiu o jornal “Haaretz”.

Segundo a mesma publicação e o “Channel 2” da TV israelita, que apresentou a identidade do empresário, a investigação contém entre as provas uma fita na qual o proprietário do jornal “Yedioth Ahronoth”, Arnon Mozes, se oferece para apoiar a liderança de Netanyahu, para que este se mantenha no poder, em troca de importantes benefícios e favores.

A emissora de TV garantiu que foi o próprio Mozes quem gravou Netanyahu quando propôs um acordo para melhorar a cobertura mediática do Primeiro-Ministro.

O jornal “Yedioth Ahronoth” é o principal concorrente do gratuito “Israel Hayom”, propriedade Sheldon Adelson, magnata americano de origem judaica que lidera a Las Vegas Sands e amigo próximo de Netanyahu, acrescentou a emissora.

As supostas provas estarão incluídas num dos dois processos que a polícia investiga desde o ano passado, conhecido como “Caso 2000”, do qual não foram revelados mais detalhes, mas que a imprensa local descreve como “o mais grave”.

Benjamin Netanyahu foi submetido a dois interrogatórios policiais nos últimos dias: primeiro um de três horas na segunda-feira sobre a suposta aceitação irregular de presentes valiosos; e o segundo, de cinco horas, na quinta-feira, sobre o caso considerado mais sério no qual o Primeiro-Ministro é acusado de crimes maiores.

Netanyahu mostrou-se surpreendido com as “evidências contra ele” que a polícia apresentou durante os interrogatórios, acrescentou o “Haaretz”, mencionando fontes próximas de Netanyahu.

Em relação ao “Caso 1000”, a emissora israelita “Channel 10” revelou na sexta-feira que o Primeiro-ministro também teria usado os seus vínculos com o Secretário de Estado americano, John Kerry, para ajudar o produtor israelita, Arnon Milchan, a adquirir um visto americano.

Netanyahu reconheceu ter recebido presentes, mas garante que tratou-se apenas de uma troca de gentilezas normais entre amigos e negou ter cometido qualquer irregularidade.

Após o primeiro interrogatório, a Procuradoria afirmou em comunicado que as questões sob investigação estão relacionadas com possíveis crimes de “integridade moral” e assegurou ter provas que justificam a abertura de uma investigação criminal.