A desnuclearização da península coreana é “o caminho para a paz e o nosso objectivo”, afirmou ontem o Presidente sul-coreano, um dia após o encontro entre representantes das duas Coreias

 

A questão nuclear norte-coreana deve ser resolvida “pacificamente”, afirmou Moon Jae-In, em conferência de imprensa, indicando que vai pedir mais conversações com Pyongyang para o efeito.

Altos representantes de Seul e de Pyongyang protagonizaram na terça-feira a primeira reunião de alto nível entre as duas Coreias desde Dezembro de 2015. Na sequência do encontro, a Coreia do Norte revelou que vai enviar uma delegação de alto nível aos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, que se realizam na Coreia do Sul em Fevereiro, uma comitiva que incluirá, além de atletas, representantes do regime.

Neste sentido, o Presidente da Coreia do Sul reiterou ontem estar disponível para um encontro com dirigentes norte-coreanos se as condições para o efeito estiverem reunidas. “Mantenho-me aberto a qualquer encontro incluindo uma cimeira [com a Coreia do Norte] se se afigurar útil para uma melhoria das relações Sul-Norte ou para um acordo relativamente à questão nuclear norte-coreana”, disse Moon Jae-In.

No entanto, ressalvou, no caso de uma cimeira “têm de ser previamente estabelecidas algumas condições”, porque “um certo nível de sucesso deve estar assegurado”.

O Presidente da Coreia do Sul negou que a via de diálogo agora aberta vá contra a estratégia para pressionar Pyongyang a abandonar o seu programa nuclear. “Iniciámos o diálogo com a Coreia do Norte, mas dado que o dossiê nuclear continua por resolver, a República da Coreia [nome oficial da Coreia do Sul] vai continuar no caminho da pressão e das sanções junto com a comunidade internacional”, explicou.

Também negou que Seul esteja a pensar levantar provisoriamente algumas das sanções impostas a Pyongyang pelo seu programa nuclear e de mísseis: “De momento, não temos qualquer plano para aliviar as nossas sanções unilaterais contra a Coreia do Norte, activadas conjuntamente com as sanções internacionais”.

Moon Jae-In descreveu como “muito desejável” a participação da Coreia do Norte nas Olimpíadas de Inverno. “Devemos continuar com os esforços para realizar as olimpíadas da paz”, declarou.

Os exércitos das duas Coreias comunicaram ontem pela primeira vez em quase dois anos através de uma linha destinada a troca de mensagens militares, cuja reactivação foi anunciada na véspera na histórica reunião. Pyongyang tinha deixado de utilizá-la em Fevereiro de 2016 em protesto contra o fecho do complexo industrial intercoreano de Kaesong, decidido unilateralmente por Seul como castigo pelo desenvolvimento de armas por parte de Pyongyang.