Tripulantes da transportadora aérea Cathay Pacific relataram ter avistado, no céu, o míssil intercontinental lançado pela Coreia no Norte no dia 29 de Novembro. Segundo a BBC, a tripulação do voo CX893 da Cathay Pacific, que operava a rota São Francisco-Hong Kong, viu o míssil a entrar na atmosfera e “explodir” a “uma distância próxima” da aeronave, antes de cair no Mar do Japão. A transportadora indicou que a tripulação avisou o controlo de tráfego aéreo do Japão de acordo com os protocolos estabelecidos. O voo não foi afectado, garantiu a empresa que, apesar deste episódio e das constantes ameaças e ensaios de mísseis norte-coreanos, não planeia interromper ou alterar a rota. Um avião de carga da Cathay Pacific (voo CX096), que seguia para o Alasca, poderá ter passado ainda mais próximo do míssil, acrescentou a empresa. Pyongyang tem acesso aos dados da aviação civil internacional, pelo que pode estudar o espaço aéreo antes de fazer qualquer lançamento. Embora o risco de um incidente seja baixo, é algo que as companhias aéreas estão a levar em consideração. No início de Agosto, a Air France expandiu a sua zona de exclusão aérea em torno da Coreia do Norte depois de um dos seus aviões ter passado perto da trajectória de um míssil do país. No dia 29 de Novembro, o regime de Pyongyang testou, com sucesso, o míssil Hwasong-15, considerado o mais potente já lançado pelo país e com capacidade para atingir os Estados Unidos.