O furacão Irma passou ontem para categoria 1, enquanto avançava para o norte da Flórida, deixando atrás de si um rasto de destruição com grandes inundações, três mortos e milhões de pessoas sem acesso a energia eléctrica

 

Às 2H00 locais (manhã de Macau) o olho do furacão estava 40 km a nordeste de Tampa, com ventos de 135 km/h  e receio de marés ciclónicas, que “representam ameaças à vida”.

Na manhã de domingo (local), o Irma atingiu a área de Florida Keys como furacão de categoria 4  e à tarde chegou a terra em Marco Island (oeste) com categoria 2.

Quase 6,3 milhões de pessoas receberam ordem para abandonar suas casas em todo o estado e três milhões de moradores estavam em casas sem energia elétrica, segundo a empresa Florida Power and Light.

“Os barcos estão literalmente quebrados, as palmeiras estão no chão, as linhas de energia elétrica estão caidas”, afirmo a CNN a.  Uma agente policial e um oficial penitenciário morreram em acidentes de trânsito no domingo nas imediações de Sarasota. Outro homem faleceu no sábado, quando o seu camião bateu numa árvore em Key West.

-O presidente americano, Donald Trump, declarou estado de catástrofe natural na Flórida, medida que permite desbloquear verbas e recursos federais suplementares para socorrer a península varrida pelo gigantesco furacão. “Neste momento, porém, estamos preocupados com as vidas, e não com os prejuízos”, destacou o presidente após uma reunião com funcionários da Segurança Nacional e de gestão de emergências.

O serviço meteorológico privado Accuweather calculou que os danos provocados pelo Irma devem superar 100 mil milhões de dólares e os do Harvey, que devastou o estado do Texas há duas semanas, quase 190 mil milhões, o que equivale no total a 1,5% do PIB dos Estados Unidos.

As cidades de Naples, Fort Myers e as densamente povoadas penínsulas da baía de Tampa (oeste da Flórida) enfrentaram ameaças de ondas de até 4,5 metros. Na costa leste da Flórida, Miami foi afetada por fortes ventos e chuvas e os aeroportos estão ainda paralizados.

 

Fortes inundações em Cuba

Cuba também foi muito afectada e registou fortes inundações no litoral noroeste, de Matanzas a Havana, “com ondas de entre 6 e 9 metros”, informou o Instituto de Meteorologia cubano.

A água do mar, que atingiu o simbólico Malecón, avançou 500 metros na capital e pelo menos 1,5 milhão de moradores abandonaram suas casas na ilha, onde rajadas de vento chegaram aos 150 km/h derrubarando árvores e postes de energia eléctrica. As autoridades não anunciaram vítimas fatais, e sim “danos materiais significativos”.

O Irma provocou devastação em muitas ilhas do Caribe e deixou pelo menos 27 mortos: 10 na parte francesa e quatro na área holandesa de Saint Martin, quatro nas Ilhas Virgens americanas, seis nas Ilhas Virgens britânicas e no arquipélago de Anguilla, dois em Porto Rico e um em Barbuda.

 

JTM com agências internacionais