O Gabinete de Taiwan para os Assuntos da China Continental apelou ontem a Pequim para que não exija condições políticas prévias para os contactos bilaterais. “Manter a paz e estabilidade no Estreito da Formosa é a política estabelecida pelo governo desde que assumiu o poder, em 20 de Maio passado”, afirmou o organismo, num comunicado em resposta ao apelo do Primeiro-Ministro chinês, Li Keqiang, para que Taipé aceite o princípio “Uma só China”, visto como uma garantia de que a ilha é parte da República Popular e não uma entidade política soberana. A nota emitida por Taipé refere ainda que a China Continental deve aceitar as diferenças no desenvolvimento dos regimes políticos de cada lado do estreito de Taiwan e reconhecer e respeitar a existência da democracia e da sua opinião pública. “Só então as relações entre os dois lados do Estreito [de Taiwan] poderão desenvolver-se de forma construtiva”, frisa.