O 19º Congresso Nacional do Partido Comunista da China deve ser convocado em 18 de Outubro em Pequim, após proposta do Bureau Político do Comité Central, reunido sob a presidência do secretário-geral Xi Jinping. Em comunicado divulgado sobre a reunião assinala-se que no Congresso serão eleitos um novo Comité Central e uma nova Comissão Central de Inspecção Disciplinar

 

De acordo com a imprensa oficial, o 19º Congresso Nacional do PCC analisará “o trabalho do Partido nos últimos cinco anos e resumirá as experiências preciosas que o Partido obteve no processo histórico de unir e liderar as pessoas de todos os grupos étnicos para continuar e avançar o socialismo com características chinesas sob a liderança do Comité Central do PCC com Xi no núcleo desde o 18º Congresso Nacional”.

Está também previsto que o Congresso examine “a actual situação internacional e doméstica, e considerará os novos requisitos para o desenvolvimento do Partido e do país assim como novas expectativas do povo”, ao mesmo tempo que “definirá directrizes e políticas que respondem à chamada da época”, segundo um comunicado divulgado após a citada reunião do Bureau político.

Transcrito pela imprensa oficial, o comunicado acentua que este “congresso é uma reunião muito importante a ser realizada quando a China se empenha para a vitória final para alcançar uma sociedade moderadamente próspera de uma forma integral, e num momento crítico para o desenvolvimento do socialismo com características chinesas”.

“Segurará em alto a bandeira do socialismo com características chinesas, será guiado com Marxismo-Leninismo, Pensamento de Mao Zedong, Teoria de Deng Xiaoping, o importante pensamento de “Três Representatividades” e o Conceito Científico de Desenvolvimento, e implementará completamente a essência da série de importantes observações de Xi e os novos conceitos, pensamentos e estratégias de governação do Comité Central do PCC”, frisa o texto, assinalando que “o congresso também pretende impulsionar a confiança no caminho, teoria, sistema e cultura do socialismo com características chinesas, continuar a adoptar uma abordagem geral para promover o progresso económico, político, cultural, social e ecológico, assim como avançar no desenvolvimento coordenado dos Quatro Abrangentes”.

 

Os Quatro Abrangentes, segundo o comunicado, referem-se a uma estratégia de quatro pontos que pretendem realizar de maneira abrangente uma sociedade moderadamente próspera, aprofundar de maneira abrangente a reforma, avançar de maneira abrangente no Estado de direito, e fortalecer de maneira abrangente a governação rigorosa do Partido”, para concluir que “serão feitos esforços para continuar a construir um melhor PCC, para alcançar a vitória final de construir uma sociedade moderadamente próspera de uma forma integral e para criar nova perspectiva para o socialismo com características chinesas”.

 

Redes sociais mais controladas

A Administração do Ciberespaço da China publicou na quinta-feira à noite um novo regulamento, no qual estabelece que as empresas do sector devem verificar as identidades reais dos membros em grupos de conversação no espaço ‘online’, revelou a Lusa em notícia de Pequim, que adianta que o regulamento estipula também um aumento do controlo sobre os comentários na rede e o estabelecimento de um mecanismo que classifica a credibilidade dos utilizadores.

A normativa entra em vigor no próximo dia 8 de Outubro, apenas dez dias antes do início do XIX congresso do PCC, durante o qual será definida a liderança para os próximos cinco anos.

O Wechat – equivalente chinês à aplicação para mensagens de texto e voz WhatsApp – tem 800 milhões de utilizadores, enquanto o Weibo – semelhante à rede de mensagens instantâneas Twitter – tem cerca de 200 milhões. A rede social Facebook e o Twitter estão bloqueados na China.

Nos últimos meses, a Administração do Ciberespaço proibiu a difusão de rumores sobre celebridades nas redes sociais e apertou o controlo sobre o tipo de notícias que podem ser difundidas.

As autoridades chinesas lançaram também uma campanha contra os serviços de VPN (Virtual Proxy Network), um mecanismo que permite aceder à Internet através de um servidor localizado fora da China.

 

JTM com Lusa e agências